O Espartano - Os componentes básicos do comportamento que formam sua identidade

1 - É absolutamente masculino e faz sexo com outros do mesmo sexo. É homem sob todos os pontos de vista. Gosta de ser homem e admira profundamente a masculinidade a ponto de estudá-la e cultuá-la. A quer para si e não só nos parceiros.

Lago Apache 1954 George Quiantance (1903 - 1957)  
 

2 - Não admite nenhum modismo andrógino, mesmo usado pelos que dizem ser homens. Jamais vai aparar as sobrancelhas como as mulheres fazem, usar brinquinhos, pulseiras, cores berrantes ou femininas, piercing, coisas muito extravagantes. Tatuagens, se gostar, não são obrigatórias, são liberadas. Cuida do corpo mas como homem.

3 - Não é uma caricatura da masculinidade. Evita a violência mas é subjetivamente forte. A masculinidade que aqui estamos falando vem de dentro. Expressa-se na maneira de falar, andar, agir mas é, essencialmente, o estudo e a posse das estratégias, controle emocional, disciplina, ética adquiridos no auto-treinamento de acordo com os ensinamentos dos antigos guerreiros que nos inspiram. Nunca confunda masculinidade com corpos musculosos. Não é obrigatório esportes, malhação, lutas marciais. Entretanto não se deve ser sedentário. Recomenda-se apenas andadas diárias e, assim mesmo, depois de ouvir a opinião do seu médico.

4 - Nunca fica vulnerável. Treina, de acordo com a sabedoria dos guerreiros, para ser cada vez mais previdente, perspicaz, controlado e estratégico.

5 - A finalidade da teoria chamada de tradição espartana é, ao fazer o seu adepto estudar as tradições masculinas e gostar do fato de ser homem relacionando-se sexualmente com outros homens, torná-lo apto a sobreviver.

A tradição espartana, como já foi dito, é uma teoria sobre as relações sexuais entre homens. A medida que se estuda a masculinidade através de seus documentos, das narrativas de antropólogos e estudiosos da masculinidade adquire-se uma força muito grande para enfrentar as realidades cruéis que se colocam diante de nós aleatoriamente ou, algumas vezes procuradas por nós próprios, até sem nos apercebermos. .

6 - A relação de dois homens é uma relação de dois guerreiros. Inspira-se na forma grega de relação entre o erasta e erômeno sem a pedofilia de alguns gregos. Os dois se unem à semelhança de parceiros militares. Não importa o que fazem na cama. Nada tem de semelhante a um casal de homem e mulher. São dois parceiros unidos pela necessidade de sobrevivência. Jamais adotariam crianças. Faz, da sua união sem filhos, uma concentração de capital neles dois para gozarem a vida. Possuem um acordo erótico entre homens não um caso ou maridos e esposas. Pode ser que, em algum momento desse acordo, um ajude economicamente o outro. Mas a maior ajuda é fazer com que o acordo entre os dois os façam crescer e, portanto, mais cedo ou mais tarde ambos estarem bem economicamente sem um depender do outro. É uma forma de relação superior. Relação comum que foi comum entre heróis e deuses gregos. É a extensão da camaradagem masculina. Fazem as coisas juntos, andam juntos, quase sempre estão juntos e gozam, um com o outro, juntos. Assim sendo nenhum dos dois pode ter outro compromisso com namoradas, noivas, esposas. Um se aproxima do outro como homens unidos pela tradição espartana. A essência desse acordo é fazer o outro feliz. Isto é, ser o seu melhor amigo. Portanto, se não puder ser como Alexandre e Hefestion, Aquiles e Pátroclo e até personagens de ficção como Batman e Robin, que não o seja. Se não for equivalente a esses modelos e promotora da felicidade e do equilíbrio emocional não deve existir. Ter um companheiro fixo não é muito importante. A auto-suficiência, o sexo ocasional e os muitos colegas espartanos unidos em uma fraternidade, inspirada em organizações marciais, substituem, com vantagem, relações desastrosas. O que importa é a auto-suficiência, a força de personalidade adquirida pelo treino a partir da sabedoria dos guerreiros e a paz que tudo isto dá.

7 - Deve-se ter muito cuidado com a visibilidade dos espartanos. Uma vez que o indivíduo resolveu assumir-se como espartano deve ser coerente com os seus ideais de comportamento. Está se construindo uma nova identidade. A grande maioria dos espartanos, principalmente os que resolverem assumir-se como tal, devem ser coerentes e representar a identidade espartana de acordo com seus princípios. A visibilidade dessa nova identidade deve refletir sua real maneira de ser. Isso é muito importante. Ser espartano significa ser o melhor possível de ser homem. O exemplo de cada um é a maior propaganda que se pode ter obrigando a todos um respeito muito grande.